PÉRICLES NEVES

Um eterno aprendiz.

Textos

O EU QUE NÃO SOU
Dentro de nós existem vários EUS.
O eu que passo a relatar não é o eu que sou.

Sou um caseiro que toma conta de uma chácara, e vive na solidão, com a saúde não muito boa, umas dores aqui outra acolá é o reumatismo que trago há muitos anos.
Vivo de meu trabalho, não reclamo da vida, esta é minha sina, tenho mais de quarenta anos, me esqueço até da data do meu aniversário, minhas mãos estão calejadas, são marcas deixadas pelo uso constante da enxada, capino aqui e ali, removo algum entulho acumulado, preparo a terra para ser plantada e cuido das hortaliças, alimento a criação, patos, marrecos, gansos, galo, frangos e galinhas, acho isso bem legal.
Nunca me casei, tenho algumas economias, gosto de sair nos finais de semana, tomar umas pinguinhas comer uns tira gosto e ouvir música bem sertaneja, gosto também de jogar um truquinho, gosto muito de pescar e de fazer a minha comida, coisinha simples, canjiquinha com costelinha de porco, frango ao molho pardo, além do trivial arroz e feijão preto, as verduras são as colhidas da chácara que eu planto com muito amor e carinho.
Meu patrão é legal paga o meu salário em dia, tenho Carteira Profissional assinada, ele paga a minha e a cota dele ao INSS.
Nas minhas férias eu gosto muito de viajar.
Terminei o segundo grau e vou tentar em breve fazer um Curso de Técnicas Agrícolas, assim espero ganhar mais um dinheirinho.
Terminei de fazer um curso de informática e agora quero comprar um computador.
Tenho um amigo de nome Paulo, meu vizinho que me perguntou, porque não me mudo para a cidade? eu simplesmente respondi, que não é meu desejo, aqui vivo tranqüilo todo mundo me conhece, param e me cumprimentam, um dedinho de prosa aqui, outro ali.
Na cidade não sou conhecido, sabe? As pessoas vivem correndo, esbarram na gente e nem desculpam eles pedem, é uma loucura, isso para mim não é vida, aqui vivo tranqüilo, não há correria, o tempo custa a passar, ouço o barulho do vento nas árvores, vejo os passarinhos pularem de um galho para outro e eles cantam bastante, parecem que gostam de brincar no monte de areia que tem aqui.
É assim que gosto de viver, por ora vou levando minha vida por aqui.

Péricles Neves.
Pericles Neves
Enviado por Pericles Neves em 02/07/2009
Alterado em 02/07/2009


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras