PÉRICLES NEVES

Um eterno aprendiz.

Textos

MEDITANDO
Esta Crônica foi selecionada pela Pref. Municipal de Uberlândia e Sec. Municipal de Ed. e Cultura, e consta no Livro de Contos e Crônicas, lançado em 10/12/11.
  
                                                          UM DIA NO CLUBE
                                                                MEDITANDO
Hoje, domingo primeiro dia do mês de novembro de 2009.
Eu separei uma parte do tempo para fazer uma meditação, o local escolhido, a beira de um rio, próximo a uma árvore que parece ter mais de cem anos, bem o local é o interior de clube social de nossa cidade.
O dia está quente, excelente para uma pescaria, e um casal se aloja perto de mim e se prepara para lançar suas varas nas águas que correm bem mansas naquele lugar.
Observo que outras pessoas se locomovem para as áreas das churrasqueiras e bem perto uma jovem balança em uma rede empurrada por uma pessoa bem idosa, enquanto crianças passam correndo atrás de uma bola.
O som que se ouve no local é proveniente de algumas cigarras e do rio que desliza em seu leito, bem perto de uma cachoeira que não é natural foi construída no local, pelos funcionários do clube.
Chega uma turma liderada por um torcedor vascaíno, com a camisa número 9, ele está satisfeito, comemora o regresso de seu time a elite do futebol brasileiro.
Mas, as minhas atenções se voltam para as águas do rio, um dos quatro elementos essenciais em nossas vidas, os outros são: a terra, o ar e o fogo.
Quanto ao elemento terra, meus pés estão em solo firme, mas não me esqueço que um dia o meu corpo se transformará em pó e ao pó voltará.
O elemento ar, não pode faltar em nossa existência, sabemos que uma pessoa bem treinada, pode ficar até perto de dez minutos sem ar, enquanto no real, cinco minutos sem ar é suficiente para nos causar danos, levando-nos a morte ou deficiência motora.
O fogo, depois de sua descoberta, transformou nossas vidas, a indústria teve o seu desenvolvimento, foi criada mais uma opção em nossa alimentação, passou a ser cozida.
Na Grécia antiga, o fogo era divindade e era colocado em um cômodo reservado da casa, onde a família prestava o seu culto e sua presença era obrigatória, de manhã, à tarde e a noite era permitida diminuir a sua intensidade, a madeira era especial, tratava-se de uma divindade.
Do meu local vejo o fogo em muitas churrasqueiras, mas ele está vivo dentro de nós representado pelo espírito, pela nossa alma, quando ele se extingue aí é outra história.
Agora, vou para outro local, o casal que estava pescando continua no mesmo local se preparando para sair, não pescou nada e eu vou até a sauna encontrar com os amigos e colocar a prosa em dia.
As cigarras continuam cantando e o rio com suas águas bem limpas continuam purificando sua trajetória.
PÉRICLES NEVES.
Pericles Neves
Enviado por Pericles Neves em 23/12/2011
Alterado em 18/04/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras